quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Tenha Prazer em Fazer a Vontade de Deus






Tenho grande alegria em fazer a tua vontade,ó meu Deus;
a tua lei está no fundo do meu coração. (Salmos 40:8)

Se quisermos ouvir a voz de Deus e obedecer à Sua vontade,creio que a nossa oração todas as manhãs deveria ser algo assim:

"Deus quero andar na Sua perfeita vontade durante toda a minha vida.Não quero a Sua vontade permissiva;não quero fazer nada sem a Sua aprovação e benção.Se eu tentar fazer alguma coisa que não seja o Seu melhor para mim,por favor,deixe-me sentir hesitação em meu coração,um freio em meu espírito,para que eu continue no caminho do Seu plano.

Ajude-me a me submeter-me ao Senhor.
Ajude-me a não ser cabeça dura.
Ajude-me a não ser teimoso.
Ajude-me a não ter o coração duro.



Deus,quero que a Sua vontade opere plenamente em minha vida.Já experimentei o fruto da minha própria vontade por tempo suficiente para saber que se eu fizer as coisas do meu jeito,e não for isso o que o Senhor quer,acabarei tendo um mau resultado.Estou disposto a lhe obedecer,masmpor favor,ajude-me a ouvir claramente o que o Senhor está me dizendo para fazer.Amém".

Sussurre para Deus,várias vezes por dia: "Seja feita a Sua vontade".

sábado, 29 de outubro de 2011

Como saber quem eu sou?

Acho que estou vivendo para agradar outras pessoas. Nem sei mais o que é bom para mim. Casar e ter filhos é o que a minha mãe quer, mas será que essa vontade é dela ou minha? Realmente, não sei mais qual é minha vontade. Quem sou eu?
O desabafo acima é um questionamento muito comum entre as pessoas. Estamos sempre dispostos a agradar e corresponder aquilo que esperam de nós, pois foi assim que aprendemos desde muito pequenos: a obedecer! E quando começamos a pensar com nossa própria cabeça e questionar se o caminho que estamos trilhando é mesmo aquele que queremos, o conflito se torna inevitável. As perguntas quem sou eu?, o que eu quero?, estou feliz? insistem em martelar em nossa cabeça e uma vez iniciado o questionamento é como se ele tivesse vida própria, não para mais. Como encontrar tais respostas? Como nos libertar da busca de reconhecimento, aprovação, da necessidade de agradar, deixar de ser tão suscetível a críticas e opinião das outras pessoas? Não é fácil libertar-se de tantas correntes que nos aprisionam. Sim, ficamos presos a essas necessidades que mal conseguimos viver, como se estivéssemos verdadeiramente acorrentados.

Para evitar esse conflito, durante algum tempo até conseguimos nos distrair com outros interesses, seja trabalhando em excesso para não sobrar tempo para pensar; seja cuidando da vida dos outros, ajudando, aceitando ou criticando-os, seja adoecendo como forma de chamar atenção, seja nos sobrecarregando com infinitas atividades, enfim, tudo isso pode inicialmente nos beneficiar à medida que proporciona a oportunidade de nos esconder de nós mesmos. Sofremos muito com as perdas durante a vida, mas não percebemos o quanto perdemos a nós mesmos cada vez que olhamos para o lado para não olhar para dentro de nós.

Você já reparou que quando estamos frente a uma multidão, conseguimos ver a todos, mas não vemos a nós mesmos? Percebe a diferença? Sempre estamos vendo os outros, o que interfere de forma profunda e simbólica quando precisamos ter o conhecimento de nossos próprios sentimentos. Sempre é mais fácil olhar o outro, perceber qual o melhor caminho para ele, do que olhar para dentro de nós e definir o próprio caminho.

Para conseguir as respostas das perguntas acima é preciso saber o que nos afastou de nós mesmos. Tudo começa de maneira muito sutil quando ainda somos muito pequeninos. Quando nascemos somos genuínos, iluminados, mas com o transcorrer do tempo começamos a nos apagar... ou somos apagados diante das cobranças, superproteção, vergonha, humilhação, rejeição, abandono, regras, etc, e inconscientemente, vamos nos distanciando de quem somos em essência, de nosso verdadeiro eu- o self. Com a intenção de sermos aceitos, criamos o que chamamos de máscaras, que são defesas que nosso inconsciente cria com o intuito de evitar a dor dos sentimentos que nos fazem sentir. O raciocínio do inconsciente seria o seguinte: Se sou tão criticado, se não faço nada certo, serei diferente para quem conseguir ser aceito e amado . Crescemos acreditando que não somos suficientemente bons para sermos amados pelo que somos, assim procuramos desesperadamente criar uma imagem de como deveríamos ser. Começamos a criar um falso eu como proteção e reprimimos cada vez mais nosso eu verdadeiro. Isso vai se cristalizando aos poucos, até que quando começamos a nos sentir insatisfeitos, infelizes, em conflito, ou quando algo acontece como uma perda significativa pela separação, morte, doença, e nos faz refletir como está nossa vida, é que começamos a questionar o que está acontecendo. E parece que quanto mais pensamos mais perdidos nos sentimos, é como se não soubéssemos mais quem somos, como o desabafo do início deste artigo.

Muitos se desesperam, ficam deprimidos, pois não conseguem identificar o que está acontecendo. A distância de si mesmo é tão profunda que não conseguimos mais ouvir nossa própria voz, nossos desejos e sonhos, é como se tudo tivesse se perdido. Mas, na verdade, tudo ainda está dentro de nós, só precisamos saber como encontrar a parte perdida.

Para alcançar o verdadeiro eu é preciso identificar quais são suas máscaras. Você sabe? Não é um processo simples, afinal, foram tantos anos acreditando ser de um jeito, como agora alguém lhe diz que essa pessoa não é você? É preciso fazer o caminho de volta, buscar o seu eu verdadeiro, sua essência. Em que momento da vida você se perdeu de si mesmo? Muitas vezes nem lembramos. Você pode começar identificando aquilo que neste momento está lhe incomodando, atrapalhando ou lhe trazendo conflitos.
As máscaras que desenvolvemos podem ser muitas. Por exemplo, a superioridade, arrogância, o poder, orgulho, a necessidade de agradar, o ser bonzinho em excesso, alegre em excesso, rindo de tudo e de todos, podem ser máscaras que ocultam profundos sentimentos de danos emocionais e conseqüente falta de valor a si mesmo, mas que um dia foram criadas para protegê-lo da dor. Geralmente aquilo que nos traz conflitos são nossas necessidades não supridas desde muito pequenos e que só agora começamos a ter consciência.

O casamento está mal, não recebe atenção como gostaria? Será que essa atenção que espera já não vem lá de criança? Por mais que o outro lhe dê atenção dificilmente conseguirá suprir a necessidade somada por anos. O que isso tem a ver com máscara? Provavelmente, quando criança já sentia a necessidade de atenção, mas como forma de se defender ou seja, para obter a atenção não recebida, passou a fazer de tudo pelo outro, agradando sempre e incondicionalmente, com o pensamento inconsciente de ser valorizado e assim receber atenção tão desejada. Cresceu dentro deste padrão e no casamento deve ter agido da mesma maneira, sempre agradando, se sobrecarregando, mas com o passar dos anos a necessidade vai sendo potencializada, até chegar num ponto em que seu corpo e/ou sua mente não agüentam mais, mas ao mesmo tempo, não consegue identificar todo esse processo, pois não há esse conhecimento e o conflito se instala. Quando isso acontece é hora de parar tudo e refletir no que está acontecendo, quando tudo começou, e em geral, começa lá no passado, na forma como fomos cuidados, educados, reprimidos, exigidos, cobrados. Quando começamos a nos moldar ao que esperavam de nós e desta forma começa o processo de distância de quem somos. O caminho de volta é longo, mas valioso.

Como voltar à nossa essência, a quem somos verdadeiramente? Como acreditar que essa pessoa, que convivo por anos, ou seja, eu mesmo, na realidade pouco tem a ver com quem penso ser? Não é simples descobrir quem somos. É um processo que pode levar anos, talvez uma vida inteira, pois sempre estamos mudando, evoluindo, e que bom!

Podemos começar reconhecendo e aceitando as emoções e sentimentos negativos que há dentro de nós, para só depois mudar o que nos faz sofrer. Um caminho muitas vezes árduo, que exige paciência, persistência e, acima de tudo, muita compreensão para conosco. O sofrimento está aí, latejante, presente, vivo, que nos faz querer sair correndo a cada novo problema que surge. O desânimo e desespero se fazem presentes. Mas fugir, reprimir, negar, só faz tudo ficar mais profundo e intenso dentro de nós.
Comece se perguntando quais são os sentimentos que têm sentido nos últimos meses ou anos. Quais são eles? Escreva um por um. Esse passo é importante para que consiga identificá-los. Essa confrontação honesta com o que sente e lhe faz sofrer pode ser o começo de sua libertação desses mesmos sentimentos.

É preciso entender que muitas vezes o conflito que parece advir do externo, na verdade, é apenas o reflexo daquilo que está bem dentro de nós, mas como está bem escondido há anos, sentimos dificuldade em identificá-lo. E assim, muitos de nós continuamos a nos enganar e a sofrer.
Tudo aquilo que sentimos pode ser transformado quando o reconhecemos sem medos ou fugas.

O passo mais importante é esse: aprender a identificar cada sentimento, faça isso todos os dias. Depois exercite identificar a causa, que também não é simples, requer acima de tudo, persistência. Pergunte-se: o que estou sentindo? Depois de ouvir a resposta, pergunte: o que me faz sentir isso? E ouça a resposta. Isso o levará cada vez mais perto da pessoa que você é.

Culpar os outros, seja este quem for, por aquilo que tem passado ou sentido, nada contribuirá para mudar, por isso é preciso se responsabilizar pela própria mudança, sem esperar que outras pessoas mudem, isso é responsabilidade de cada um, e ninguém pode fazer isso pelo outro. A sua mudança depende exclusivamente de você; a mudança do outro, depende dele. Sim, em alguns momentos temos que aprender a lidar com a sensação de impotência, decepção e frustração que a vida nos coloca. Nem tudo é perfeito, mas se olharmos tudo como aprendizado, teremos outra percepção dos acontecimentos e em conseqüência, menos sofrimento.
Comece a perceber quais situações estão lhe deixando insatisfeito, desesperado, doente. O enfrentamento desses problemas lhe proporcionará uma maior percepção de sua própria capacidade de superá-los.

O autoconhecimento não o faz isento de sentimentos negativos ou sofrimento, mas pode fazer com que lide de uma maneira muito mais saudável com os mesmos. Conforme se conhecer mais e mais, não deixará de ficar triste, chorar, mas quando isso acontecer não lhe provocará mais desespero como provavelmente acontece, haverá muito mais controle e entendimento das possíveis causas, pois estará aprendendo a identificá-las.
É preciso lembrar ainda, que por mais que as pessoas desejem muito ser feliz, a maioria sente dificuldade em se permitir, como se não se sentissem merecedoras e, inconscientemente, acabam por se boicotar em mudar o que é preciso, permanecendo no mesmo padrão durante anos, ainda que à custa de muito sofrimento e dor.

Nunca abandone o desejo de ser feliz, mas para isso é preciso se permitir, sem carregar a sensação de estar fazendo algo errado. Busque sua própria evolução, pois cada um de nós, e ninguém mais, é responsável pelo próprio crescimento.
Evite a todo custo permanecer rígido em crenças, valores, que um dia lhe foram ensinados e vivenciados como se fossem seus, pois na maior parte das vezes eles não lhes pertencem. Quanto mais conseguir identificar o que aprendeu e descartar, libertar ou mudar aquilo que não lhe serve, mais estará perto de quem você é verdadeiramente.

Exercite a flexibilidade, estar aberto a novos valores, deixar fluir seus sentimentos e tudo aquilo que está dentro de você com a naturalidade que o processo exige. Seja verdadeiro e honesto consigo mesmo, como espera que outras pessoas sejam com você.
Neste instante, procure dentro de você quais são seus verdadeiros desejos. Vá lá no fundo, vasculhe tudo, que os encontrará. Não é um caminho fácil, mas quem disse que deveria ser?
Por que assumimos tantos compromissos com outras pessoas e raramente nos comprometemos com nós mesmos? Sabe aquelas atitudes que espera dos outros, mas que raramente você dá a si mesmo? Comece por aí, sendo tão amoroso, compreensivo, carinhoso, leal, honesto, comprometido consigo mesmo, da mesma maneira que é com outras pessoas.

Esse é apenas um dos caminhos para chegar a seu verdadeiro eu, mas no decorrer do processo irá se surpreender com outras maneiras de se conhecer cada dia mais. Afinal, autoconhecimento não tem fim, é algo que devemos cultivar eternamente. Por isso, não importa quando começa, o importante é aprender a se ouvir e acima de tudo, se respeitar. Caso tenha dificuldade nesse processo, procure ajuda de um psicólogo de sua confiança, ele com certeza lhe ajudará.


Rosemeire Zago é psicóloga clínica


Fui traída!

Amor, cumplicidade, fidelidade e respeito são requisitos fundamentais para que um casamento dê certo. Infelizmente, violência, abandono e traição também têm feito parte da realidade de muitos matrimônios. Diversas mulheres já passaram ou ainda passam por dissabores causados pelo adultério. Nesse processo de desmoronamento conjugal, é comum que, de certa forma, família, amigos, igreja e, principalmente, as mulheres não saibam como lidar com a situação.
Quando se casou, Maria Francisca Santos, 47, tinha o sonho de ser amada, respeitada, protegida e feliz. E esse sonho parecia se realizar quando, aos 23 anos, subiu ao altar. O matrimônio foi apressado porque ela estava grávida, mas isso não parecia diminuir a felicidade do casal, já que o noivo, Antonio Costa, 46, declarava amor eterno e a assumiu tão logo soube da gravidez.
Poucos meses após o nascimento do bebê, a realidade do casal começou a mudar. Antonio passou a ficar muito ausente, sair bastante e não dar satisfações. Nos anos seguintes, as traições, agressões e ausências se tornaram cada vez mais freqüentes.
“É difícil ver o casamento desmoronar a cada dia. Eu não sabia o que fazer. Brigava, colocava-o pra fora de casa, mas nada disso resolvia, e eu ficava cada vez mais infeliz e desesperada. Me sentia incapaz e frustrada”, conta Maria.
Foram 21 anos de constantes problemas, até que Antonio saiu de casa sem dar explicações. Desgostosa, Maria relembra: “Ele arrumou as coisas e foi embora. Eu sabia que estava sendo traída mais uma vez. Fiquei confusa. O casamento não era bom, mas eu não queria perder meu marido. Tinha fé de que tudo poderia ser restaurado. Às vezes, achava que estava sendo castigada, que era culpada”.
Em situações como essa, os questionamentos são comuns. Segundo a professora de Psicologia da Uninove (Centro Universitário Nove de Julho) e do Seminário Teológico da Igreja Presbiteriana de São Paulo, Rosileny Schwantes, 43, as mulheres que sofrem algum tipo de violência física ou emocional por parte dos maridos têm sentimentos ambíguos. “É como se em seus corações o desejo de mudança fosse maior do que o desejo pela não-violência”, diz.


EVANGÉLICA SENTE DIFERENTE?
Para Rosileny, não há diferença entre o sentimento de uma mulher evangélica ou não diante de uma atitude pouco moral por parte do companheiro. Mas afirma que “a ética cristã provoca nas mulheres evangélicas muita reflexão sobre atitudes que, supostamente, deveriam ser diferentes na vida delas. Porém, o sofrimento e a tristeza são sentimentos humanos que também habitam o coração de mulheres que temem a Deus e se sentem comprometidas com uma vida transparente, mas que nem sempre conseguem viver como gostariam. Isso acarreta mais sofrimento ainda”.
Jaime Kemp, 66, pastor e autor de best-sellers como Devocional para Casais, Eu Amo Você e Onde Está Deus no Meu Sofrimento, tem outra opinião. Para ele, as mulheres evangélicas encaram de maneira diferente as dificuldades conjugais: “Podemos dizer que elas sabem que podem contar com um Deus soberano. Além disso, têm livre acesso ao Pai em oração e podem nEle se abrigar, além de receberem apoio de suas igrejas. Elas crêem, ou pelo menos espera-se que o façam, em um Deus pessoal que pode transformar maldição em bênção”.
O fato é que as questões emocionais e espirituais ficam confusas nesse período. A mulher se sente fracassada e, muitas vezes, culpada pelo que está sofrendo. A dificuldade aumenta com as cobranças e pressões da família, amigos e até mesmo da igreja.
S.R.G., 33, é casada há dez anos e seu marido não é evangélico. Ela se converteu alguns meses após o casamento e, desde então, vem enfrentando mentiras, violência e traições. “Nesse período, o pior é saber que quando tudo está ruim entre nós, eu tenho que ser forte e continuar a viver como dona de casa, profissional, líder de ministério e mãe”. Na sua percepção, é tremendamente difícil cumprir bem todos esses papéis dentro de casa quando há tantas mágoas e ressentimentos que pressionam suas emoções.

A “AJUDA” QUE PODE ATRAPALHAR
Como os sentimentos dessas mulheres estão muito confusos e vulneráveis, é preciso ter bastante cuidado para não oferecer uma pseudo-ajuda que, no fundo, causa mais mal do que bem. Rosileny vê o papel da igreja com bastante relevância. Ela sugere debates com os membros acerca do tema e maior conscientização sobre a realidade do pecado, estimulando a igreja a ser mais acolhedora e generosa com as pessoas que se sentem violentadas em seus corpos ou em suas almas.
Este apoio S.R.G. encontrou na igreja que freqüenta, onde foi acompanhada em todo o tempo pelos líderes. “O apoio e a orientação que deram foi o que me fortaleceu”, credita. Para Maria, foi um pouco diferente, conforme explica: “A pressão da igreja para eu ser forte, não ficar deprimida, perdoar e orar pela restauração eram tão intensas que me sufocavam. Eles não queriam saber como eu estava, mas somente como eu deveria estar. Foi difícil pra mim”.
Questionado se a igreja é omissa em relação aos sentimentos das mulheres, cobrando uma postura extremamente forte e dando a ela uma atenção menor do que realmente precisa, Kemp diz que não se pode generalizar, mas afirma que grande parte das igrejas é omissa em socorrer, acompanhar e apoiar a mulher que está sendo abandonada pelo marido.

Jaime Kemp, pastor e autor de best-sellers, acha que não se pode generalizar, mas observa que grande parte das igrejas é omissa em socorrer, acompanhar e apoiar a mulher que foi abandonada pelo marido

IGREJA: QUE POSTURA EVITAR E O QUE FAZER
Tanto para Kemp como para Rosileny, negligenciar as mulheres, olhá-las com preconceito, assumir posturas machistas, fazer julgamentos excessivos, cobrar uma postura positiva e lidar com a situação usando frases prontas e superficiais como “não desanime, ele vai voltar” e“continue lendo a Bíblia e orando”, não trazem muito resultado. Dar a elas um refúgio emocional e físico, oferecer aconselhamento, providenciar, quando necessário, apoio médico e psicológico, encaminhá-las para pequenos grupos de mulheres, onde elas possam desabafar, orar, se distrair e conversar são atitudes mais eficazes.

CUIDADO, PERDÃO E SINCERIDADE
Qualquer decisão entre casais traídos deve ser consciente, sincera e séria entre eles e diante de Deus. Rosileny afirma que se alguém diz ter perdoado seu marido e, de fato, não perdoou, o sofrimento continua. Às vezes, as pessoas dizem ter perdoado, mas isso é só aparente. A intenção é de que a comunidade veja. “Aí não é só paliativo, é também destruidor”.
Os casais devem evitar situações de perigo. Para a psicóloga, um casamento evangélico é como qualquer outro casamento. Os dois precisam se amar, se divertir, se curtir, se respeitar e, sobretudo, ser generosos. Os compromissos e desejos do outro devem estar claros para ambos. Para evitar desentendimentos corriqueiros, Rosileny alerta:“Nossos dias são intensos, muitas coisas acontecem todo o tempo. Se não nos organizarmos para que a vida conjugal seja plena, divertida e amável, sofreremos. Mas se investirmos no olhar carinhoso e no toque apaixonado, nas palavras amistosas e no jeito gostoso de cuidar do outro, o resultado é simples: ser feliz”.

VÍNCULOS RESTAURADOS
Há seis meses, Maria aceitou de volta o marido que havia passado dois anos fora de casa. Teve que enfrentar a resistência dos filhos que desconfiavam da mudança do pai, mas agora já o aceitam com mais naturalidade. “Meu pai passou por muitas situações diferentes quando ficou fora de casa. Aprendeu a valorizar a esposa e os filhos”, diz Iara Santos, 21, filha do casal. A mãe concorda, pois percebe que nesse tempo Deus trabalhou muita coisa nela mesma, nele e nos filhos. Ela amadureceu, teve que aprender a ficar sozinha e perceber que sua força não estava em outra pessoa.
Para S.R.G, esta restauração está próxima. O marido está indo aos cultos com ela, se relacionando com pessoas da igreja e disposto a melhorar. “Ele já aceitou a Jesus, se arrependeu dos erros que cometeu contra mim, tem demonstrado amor e arrependimento“, conta quase chorando.
Mesmo passando por situações de dificuldade, essas mulheres decidiram lutar pelo sonho de ter uma família feliz. “Tenho certeza de que vale a pena insistir no casamento, pois durante dez anos vivi dores, decepções e tristezas, entre alguns momentos bons, como viagens e o nascimento de nossos filhos. Mas, porque perseverei, estou experimentando a restauração do meu casamento”, diz a esposa entre lágrimas e convicção da vitória.

ELES VIVEM O PERDÃO E A RECONCILIAÇÃO
Eles foram casados durante 28 anos. Ela desempenhava valioso papel como palestrante, escritora e líder feminina no nível maior de sua denominação. Ele era um importante pastor, também reconhecido por seus livros, suas aulas, suas posições relevantes no meio evangélico. Tudo parecia contribuir para o aperfeiçoamento da obra de Deus e para a felicidade do lar, até que em 1998, a confirmação de uma traição caiu feito uma pedra na vida da esposa.
Martha e Luís (nomes fictícios, pois o casal pediu para não ser identificado) passaram a viver uma experiência amarga para ambos, com trágicas repercussões. Ela se manteve firme, continuou seu trabalho, venceu a amargura. Ele pagou um alto preço pelo desvio escolhido. Mas depois de três anos, os dois se reaproximaram. O esposo pediu uma nova chance e o casal se reconciliou. Estão juntos e reconstruindo o lar até hoje.
O depoimento a seguir é dessa esposa, que jamais fugiu de sua dor e não nega a sua história. Ela apenas deseja ser referência de apoio, dividindo com outras mulheres o que aprendeu e como tem buscado vitórias em seu casamento.

O que acha que poderia ter sido evitado para que o casamento não tivesse um episódio de traição?
A fidelidade do meu marido, provada e comprovada nos 28 anos de vida em comum, me davam total segurança. Por isso, não tinha o que fazer para evitar a traição. Meu maior erro talvez tenha sido querer ajudar um casal que enfrentava problemas no casamento e colocado meu marido para ser esse conselheiro, o que sempre fiz durante nosso ministério. Infelizmente, dessa vez, as coisas não deram certo. Os desdobramentos do aconselhamento resultaram em uma traição.

O que mais sentiu quando precisou conviver com a nova realidade?
O pior sentimento que um ser humano pode enfrentar é a dor da rejeição. Ser trocada por outra dói e muito. Isso acaba com a auto-estima, imobiliza a gente. Nessa hora é muito fácil adoecer, se revoltar ou praticar atos extremos. Outro sentimento é o de vergonha. Afinal, éramos um casal que ministrava em encontros de casais. De repente, o mundo desmoronou. Durante muito tempo fiquei com vergonha das pessoas. Aos poucos, Deus foi me curando.

Como fez para dar a “volta por cima”, mantendo sua personalidade e valor em todos os trabalhos que sempre exerceu?
Minha primeira reação foi pensar que não estava acontecendo nada. Era um sonho e eu iria acordar. Depois, veio o sentimento de revolta pela injustiça sofrida. Em seguida, veio a autocomiseração e autopunição. Mas meus filhos me ajudaram muito, não me deixando cair nessa armadilha. Tive muita dificuldade em orar. No entanto, me sentia carregada no colo, pois sabia que tinha muita gente orando por nós. Essa sensação durou algum tempo até que um dia me dei conta de que não estava mais no colo de Deus, mas caminhando. Louvo a Deus porque esteve o tempo todo comigo. Essa força me ajudou a me manter de pé, a assumir a vida sem o marido, a apoiar meus filhos (e descobrimos que nós três nos apoiávamos mutuamente para enfrentar a dor que nos era comum). Além disso, contei com amigos que me deram apoio direto das mais variadas formas. Em minhas orações, pedi sempre a Deus três coisas: paz, a que“excede todo entendimento”; alegria no coração, sabendo que Deus estava trabalhando a meu favor; e a certeza de que Deus estava no controle de tudo. E Deus me deu os três.

Como foi o retorno da relação de vocês?
Meu marido ficou três anos fora. Nesse tempo, enquanto fazia meu culto diário, nunca li tantas expressões de “esperança”. Não procurava, mas, de repente, lá estava a expressão. Isso alimentou meu coração. Pela nossa história de vida conjugal, entendo que foi uma fraqueza dele, mas a ação do inimigo foi visível. Como eu tinha a certeza de que Deus estava no controle, um belo dia, em 2001, ele marcou um encontro e perguntou se eu o receberia de volta. Levei uma semana para dar a resposta. Primeiro, conversei com os filhos. Por conhecer Luís, achei que ele jamais faria isso. Foi uma surpresa e ao mesmo tempo uma alegria misturada com medo.

Como está sendo o processo de perdoar?
Recebê-lo de volta foi um processo longo. Eu tinha me acostumado a viver sozinha. Quando meu marido voltou, tive que reestruturar tudo novamente. Aos poucos, a gente foi se adaptando. Quanto ao perdão, entendo que é um processo, em que Deus vai curando nossas memórias amargas. Não acredito no “perdoe e esqueça”. Acredito no perdão que, quando se lembra dos fatos, eles não nos causam dor. Deus continua nos curando. É uma batalha diária e sempre na dependência dEle.

Revista Enfoque.

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

O pouco com Deus é muito

Texto base - II Rs. 4.42-44


Nesse texto temos um fato muito interessante. O profeta Eliseu estava com 100 homens, quando chegou Geazi de Baal-Salisa. Este homem, Geazi, trouxe consigo 20 pães de cevada e algumas espigas verdes ainda em sua palha. O profeta, vendo os 100 homens com fome, e vendo também nas mãos daquele homem Geazi que, ali chegou os pães e as espigas, não teve dúvidas e mandou que se desse para todos, àquele mantimento. O homem, porém, que trouxera o mantimento declarou que aquela pouca comida não era suficiente para todos àqueles homens famintos. Mas o profeta disse: “Dá ao povo, para que coma; porque assim diz o Senhor: Comer-se-á, e sobejará”. E como o profeta declarou, aconteceu. Todos comeram e ficaram fartos e ainda sobrou comida. Eis aí a primeira multiplicação dos pães.

Eis ai a confirmação de que: “Pouco com Deus é muito”. Que lições podemos tirar de um texto tão lindo e significativo como este? Vejamos.

Em primeiro lugar, aprendemos que as situações difíceis e insolúveis aos nossos olhos estão sobre o pleno controle do Senhor. V43.



Em segundo lugar, aprendemos que Deus conhece todas as nossas necessidades e as supre no momento certo. V42-44



Em terceiro lugar, aprendemos que tudo o que temos sem a benção de Deus não significa nada, mas tudo o que temos com a benção de Deus dá e muitas vezes até sobra. V44


Em quarto lugar, aprendemos que quando nos colocamos sob os cuidados do Senhor vemos grandes milagres acontecer. 42-44


Conclusão

Pouco com Deus é muito. É muito quando? Quando estamos dispostos a levar diante dEle o que temos. Quando estamos dispostos a crer nEle. Quando estamos dispostos a esperar no seu momento para realizar a grande obra. Há disposição em nós para nos apresentarmos diante dEle assim? Se assim for, então sempre haverá chuvas de bênçãos, milagres, sobejos, pois Deus ainda é o mesmo, o Deus de Todo Poder

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Um Cristão pode vender cigarros e bebidas?

Sei que há alguns pastores e líderes que falam que pode e que não é pecado.Sabe como esses líderes justificam essa falsa verdade, eles falam que essas  pessoas estão vendendo para o sustento da família e quando se vende para o sustento não é pecado,então roubar para o sustento da família também não é pecado; eles vão além; eles falam que se  a  pessoa que vende está pecando,o rapaz que trabalha no caminhão de cerveja descarregando também está pecando e que o pedreiro que trabalha na construção de um Motel também está pecando.
O Homem não é modelo a ser seguido,e se a opinião deles não estiverem pautadas na palavra de Deus não vale de nada, peça a Deus orientação,leia a BÍBLIA e tire as suas conclusões através da orientação de Deus.

Quem trabalha com produtos como cigarro, cerveja, etc., está pecando? Um pastor da igreja quadrangular me disse que não é errado, pois, a pessoa só esta fazendo o seu serviço. Isso procede? Ao meu entender vejo que é pecado, mas, gostaria da sua explicação…

Há fortes princípios bíblicos que nos mostram ser pecado a venda de cigarros, cervejas e outras bebidas alcoólicas:

1) O princípio de 1 Coríntios 3:16, 17: “Não sabeis que sois santuário de Deus e que o Espírito de Deus habita em vós? Se alguém destruir o santuário de Deus, Deus o destruirá; porque o santuário de Deus, que sois vós, é sagrado.” (Conferir 1Co 6:19-20).

O corpo humano é o santuário, morada do Espírito Santo (a Terceira Pessoa da Trindade). Sendo o cristão chamado a ser “sal da terra” e “luz do mundo” (Mt 5:13, 14), ele não pode contribuir, através de um falso testemunho, com a propagação de substâncias que destruam a saúde das outras pessoas!

O apóstolo Paulo afirma claramente que, quem destruir o corpo (inclusive o corpo dos outros), será destruído, pois, o aspecto físico é sagrado.

2) O princípio de Êxodo 20:13: “Não matarás.”

A ingestão de álcool e o tragar cigarros mata. Dessa maneira, quem vende tais produtos (e também trafica drogas) está, de certo modo, “matando” outras pessoas e terá de dar contas a Deus por isso (Rm 14:12; Ap 22:15).

3) O princípio de Mateus 7:12: “Tudo quanto, pois, quereis que os homens vos façam, assim fazei-o vós também a eles; porque esta é a Lei e os Profetas.”

Da mesma forma que um cristão não gostaria que alguém vendesse bebidas e cigarros para um filho seu, por exemplo, não deve vender para os filhos dos outros!

4) O princípio de Habacuque 2:15: “Ai daquele que dá de beber ao seu companheiro, misturando à bebida o seu furor, e que o embebeda para lhe contemplar as vergonhas!”

É proferido um “ai” sobre aquele que dá de beber a outras pessoas. E não poderia ser diferente, pois, a pessoa está contribuindo com os planos de satanás de destruir a saúde humana e acabar com as famílias, pervertendo assim ainda mais a sociedade.

Esses são alguns princípios que nos ensinam ser proibida por Deus a comercialização de fumo e bebidas alcoólicas.

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Lição da pérola: Uma areia na vida da ostra.Mas se permitirmos, Deus, com a Sua graça, começa a transformar os nossos problemas e fraquezas em algo precioso.




Lá no fundo do oceano, uma ostra abriu bem a sua concha para deixar a água passar através dela. Da água que passava suas guelras extraíam o alimento que a seguir ia para o estômago. De repente, um peixe grande ali perto levantou uma nuvem de areia e lodo com um movimento do seu rabo. Areia?! Oh, como a ostra detestava areia. Era áspera e fazia sua vida muito desagradável e desconfortável, era um grande incômodo sempre que entrava na sua concha. Rapidamente a ostra se fechou, mas tarde demais. Um grãozinho duro e saibroso tinha entrado e se alojado no interior da ostra. Puxa, como aquele grãozinho de areia incomodava!
Mas quase que imediatamente as glândulas especiais que Deus lhe havia dado para revestir o interior da sua concha começaram a produzir uma substância para cobrir o grão de areia irritante com uma linda camada macia e brilhante. A cada ano que passava, a ostra acrescentava mais camadas sobre o grãozinho de areia, até que por fim havia produzido uma grande pérola reluzente e de grande valor. Às vezes, os problemas que temos se assemelham um pouco a esse grãozinho de areia. Eles nos incomodam e nos perguntamos por que será que temos que passar por esse incômodo e inconveniência. Mas se permitirmos, Deus, com a Sua graça, começa a transformar os nossos problemas e fraquezas em algo precioso.
Aproximamos-nos mais do Senhor, oramos com maior fervor, ficamos mais humildes e submissos, mais sábios e mais capacitados para enfrentar os problemas. Como bênçãos disfarçadas, o Senhor logo pega esses grãozinhos ásperos de areia na nossa vida e os transforma em pérolas preciosas de força e poder, e eles se transformam em esperança e inspiração para muitos. Deus nos faz mais fortes com cada vitória. É mais ou menos como uma vacina: Ele nos dá pequenas doses para não pegarmos a doença e para, de uma forma constante e gradual, aumentar nossa resistência. Mas se você nunca for posto à prova, nunca tomar uma pequena dose, nunca conseguirá agüentar a dose grande. De uma certa forma, o Senhor faz isso conosco.
Ele nos põe à prova nos dando um pouco mais cada dia, para nos testar, para aumentar a nossa resistência e nos tornar mais fortes. Ele nos vacina cada dia com um pouco mais de soro de sacrifício, provações, problemas e luta.Ele procura deixar você mais forte a cada dia e fazer com que consiga dar um pouco mais, sacrificar um pouco mais, sofrer um pouco mais, lutar um pouco mais e crescer um pouco mais.

sábado, 15 de outubro de 2011

Tragédia ou Benção?


Não sabemos o dia de amanhã.
“Conta-se uma estória de uma aldeia, onde havia um velho muito pobre. Ele possuía um lindo cavalo branco. Numa manhã ele descobriu que o cavalo não estava na cocheira.
Os amigos disseram ao velho: – Mas que tragédia, seu cavalo foi roubado!
E o velho respondeu: – Calma, não cheguem a tanto. Simplesmente digam que o cavalo não esta mais na cocheira. O resto é julgamento de vocês.
As pessoas riram do velho. Quinze dias depois, de repente, o cavalo voltou. Ele havia fugido para a floresta. E não apenas isso; ele trouxera uma dúzia de cavalos selvagens consigo.
Novamente as pessoas se reuniram e disseram: – Velho, você tinha razão. Não era mesmo uma tragédia, e sim uma bênção.
E o velho disse: – Vocês estão se precipitando de novo. Quem pode dizer se é uma bênção ou não? Apenas digam que o cavalo está de volta…
O velho tinha um único filho que começou a treinar os cavalos selvagens. Apenas uma semana mais tarde, ele caiu de um dos cavalos e fraturou as pernas.
As pessoas se reuniram e, mais uma vez, se puseram a julgar: – E não é que você tinha razão, velho? Foi uma tragédia mesmo, seu único filho perder o uso das duas pernas.
E o velho disse: – Vocês estão obcecados por julgamentos! Não se adiantem tanto. Digam apenas que meu filho fraturou as pernas. Ninguém sabe ainda se isso é uma desgraça ou uma bênção.
Aconteceu que, depois de passadas algumas semanas, o país entrou em guerra e todos os jovens da aldeia foram obrigados a se alistar menos o filho do velho.”
Muitas vezes o que achamos ser uma tragédia pode ser a graça de Deus agindo em nossa vida!
Talvez o deserto onde você se encontra, seja uma forma de Deus te fazer aprender, crescer, depender dEle.
A tempestade que sobreveio sobre o barco de Jonas, era graça de Deus para trazê-lo de volta ao caminho da obediência.
Terça passada estive pregando em um presídio. Ao final daquela pregação fui conversar com um daqueles detentos.
Ele havia entregado sua vida a Jesus naquela noite e me disse assim: “Foi Deus que me trouxe a este lugar para que eu me encontrasse com Ele. Estou aqui apenas por uma semana pois não paguei pensão alimentícia”.
Apenas uma semana! Mas foi marcante para a vida daquele homem. Uma aparente tragédia, talvez tenha sido a maior benção que ele já recebeu, pois tivera um encontro com Cristo naquele lugar!

terça-feira, 11 de outubro de 2011

Deus fecha portas sim.

Precisava escrever algo rápido sobre o nosso Deus que fecha portas sim, e as vezes não abre janelas .E comecei a lêr o livro de Atos e achei algumas inspirações...

O Deus que fecha portas...
Texto base – At. 16 e 17
Introdução
É muito comum nós orarmos assim: “Senhor abra uma porta; uma porta de emprego, de uma viagem, de um namoro, de uma restauração de saúde, de uma oportunidade para pregarmos o evangelho, etc.” Também é muito comum o fato de que quando a porta pela qual oramos, não se abre, então, consideramos que Deus não nos respondeu, ou se respondeu, o fez negativamente. Será que uma porta que Deus não abriu foi uma ausência de resposta divina mesmo? Será que uma porta que Deus não abriu foi uma resposta negativa da parte de Deus? Será que uma porta fechada não pode ser uma benção de Deus disfarçada de obstáculo? Você já parou para pensar nisto? Nossa tendência é a precipitação da negatividade e reclamação com Deus.
Observemos o que a Bíblia nos ensina em atos 16 e 17. Nestes dois capítulos, Paulo juntamente com Silas e Timóteo, empreende a segunda viagem missionária. O Alvo é a Ásia. No trajeto por Eles traçado, o Senhor intervém duas vezes – At. 16. 6- 7; e Eles são impedidos pelo Espírito Santo de irem para Ásia, ou seja: Deus fechou aquela porta pela qual oraram, se prepararam, e empreenderam a viagem. Simplesmente no meio do caminho, Deus fechou a porta. Ao invés da Ásia, o Senhor os enviou para a Europa – At.16. 9-12.
Como foi que Eles reagiram a esta mudança de planos? Como foi que eles reagiram diante das portas fechadas e da porta que Deus abriu? Que atitudes eles tiveram? Como viram esta situação?

Que frutos isto produziu?

Primeiro: Eles por se sujeitarem à indicação de Deus, entenderam que seus planos não eram os planos de Deus e que a vontade de Deus deveria ser a sua vontade.
Não houve reclamação; não houve indignação; eles não se revoltaram por Deus os permitir vir até ali e agora dar outra direção. Nada disso aconteceu. Por quê? Porque, eles sabiam que “o coração do homem pode fazer planos, mas a resposta certa vem dos lábios do Senhor” - Pv.16.1. Eles eram servos de Deus, eles não eram os comandantes, mas os comandados.
Irmãos, é assim que devemos ser também. Muitas serão as vezes que faremos nossos planos e que estes planos não serão o que Deus quer e tem para as nossas vidas. Deveremos então seguir o exemplo de nossos irmãos e “aquietarmos e sabermos que Deus é o nosso Deus”. Sua vontade deve ser nossa vontade e que nossa vontade deve estar conformada totalmente à vontade de Deus. Nosso lema de vida deve ser: “Não a nossa vontade, mas á tua vontade Senhor”. “Não meus planos, mas os teus”.

Segundo: Eles por se sujeitarem à vontade de Deus, partiram imediatamente para onde Deus os mandava – At.16. 9-11.
Observemos as ações deles diante das portas fechadas e da porta aberta: 1. Prontidão de obediência. 2. Sujeição completa ao novo rumo estabelecido por Deus. Toda a segunda viagem missionária deles foi então alicerçada no que Deus estabelecera. Os Capítulos seguintes nos mostram isto.
É isto que deve acontecer com nossas vidas também. Devemos caminhar sob a vontade de Deus. É assim que devemos andar. Quando Deus fechar uma porta, devemos confiar que ele está fazendo o melhor, mesmo quando ainda não vemos a outra aberta. Deus não erra. Deus não se equivoca. Os planos de Deus são perfeitos. Seu caminho é seguro.

Terceiro: Eles colheram frutos abundantes quando as portas se fecharam e Deus agiu. Atos 16 e 17 nos mostram várias pessoas e até famílias inteiras se convertendo. É em Atos 16 que Lídia se converte, uma vendedora de púrpura; também, o carcereiro de Filipos com toda a sua família é salvo. No Capítulo 17 os missionários passaram três semanas em Tessalônica, e nasceu a igreja dos Tessalonicenses. A viagem tornou-se frutífera. As janelas dos céus foram abertas e benção sem medida caiu. Note, as portas fechadas para eles, nada mais eram do que a oportunidade que eles estavam tendo de viverem exatamente dentro da vontade de Deus. Quando uma porta se fechar, pare, ore, escute. Certamente Deus está levando você para os planos dEle. É ora de aquietar, se sujeitar, esperar e manter seus olhos fixos em Deus.

Conclusão:

Portas fechadas podem significar benção dobrada. Não brigue com os que estão á sua volta, não se revolte contra Deus. Não se precipite. Espere. “entregue o seu caminho ao Senhor, confie nEle e o mais Ele fará”.

domingo, 9 de outubro de 2011

Um dia Ele voltará e, se encontrar você desesperado e perdido, pode lhe perguntar: "Filho, por que você não esteve comigo?" Se você disser: "Senhor, na Tua Igreja havia muitos hipócritas." Essa não será a desculpa. Ele lhe dirá: "Filho, trigo e joio tinham que crescer juntos. Você nunca leu isso na Minha Palavra?"

video

O TRIGO E O JOIO

Pr. Alejandro Bullón


"O texto para a mensagem de hoje, está no Evangelho segundo São Mateus 13:24-30: "Outra parábola lhes propôs, dizendo: O reino dos céus é semelhante a um homem que semeou boa semente no seu campo; mas, enquanto os homens dormiam, veio o inimigo dele, semeou joio no meio do trigo, e retirou-se. E, quando a erva cresceu e produziu fruto, apareceu também o joio. Então, vindo os servos do dono da casa, lhe disseram: Senhor, não semeaste boa semente no teu campo? Donde vem, pois, o joio? Ele, porém, lhes respondeu: Um inimigo fez isso. Mas os servos lhe perguntaram: Queres que vamos e arranquemos o joio? Não! replicou ele, para que, ao separar o joio, não arranqueis também com ele o trigo. Deixai-os crescer juntos até à colheita, e, no tempo da colheita, direi aos ceifeiros: Ajuntai primeiro o joio, atai-o em feixes para ser queimado; mas trigo, recolhei-o no meu celeiro."
O primeiro ano do ministério de Jesus nesta terra foi marcado por uma curiosidade extraordinária por parte do povo. Os milagres, as curas, os atos prodigiosos que Jesus fazia, despertavam a admiração do povo e de certa maneira, despertavam também o carinho. O povo seguia ao Senhor Jesus, com muito entusiasmo. Poderíamos dizer que o primeiro ano do Seu ministério nesta Terra foi um ano de popularidade.
No segundo ano, os líderes religiosos daquele tempo se encarregaram de colocar o povo contra o ministério do Senhor Jesus. Os fariseus observavam atentamente o que Ele falava, para depois "torcer" tudo o que Jesus dizia. Queriam acusá-Lo de blasfêmia, de falsidade ideológica, de rebeldia contra a doutrina estabelecida pela Igreja daqueles tempos. Então andavam vigiando o Senhor Jesus, passo a passo, tentando achar um erro nos Seus ensinamentos. É por isso que no terceiro ano de Seu ministério aqui na Terra, Jesus começou a usar, em Seus discursos e ensinamentos, aquilo que chamamos de parábola.
No Sermão da Montanha, pronunciado no início do Seu ministério, o Senhor Jesus disse as coisas de maneira clara, sem rodeios, mas como os inimigos agora tentavam encontrar erros em tudo que Ele dizia, Jesus passou a trabalhar com sabedoria e prudência. Por isso Ele começou a usar as parábolas. Mas o que são as parábolas? São ensinamentos paralelos a uma lição principal. Quando Jesus queria ensinar uma lição básica, Ele usava um ensinamento paralelo tomando figuras, quadros, idéias, maneiras de pensar do povo para que, a partir daquilo que o povo conhecia, Ele pudesse ensinar a verdade que queria fixar na mente das pessoas. É por isso que no último ano do Seu ministério, encontramos muitas parábolas. Uma delas é a parábola do trigo e do joio. A semente boa e a semente má.
Nesta parábola encontramos dois senhores: o proprietário, dono da terra, e o inimigo do proprietário. O proprietário, que simboliza Deus, semeia de dia. Deus sempre apresenta às coisas claras. Com Deus não existe penumbra, nem sombras, nem trevas. O que Ele faz, faz na luz do dia. Com Deus não existe mentira, nem falsidade, nem coisas dúbias. Com Deus, tudo é claro como a luz do dia. E Ele diz: "... a vereda dos justos é como a luz da aurora que vai brilhando mais e mais até ser dia perfeito." (Prov. 4:18)
O outro personagem da parábola é o inimigo do proprietário. Este, simboliza o diabo. De acordo com a parábola, este semeia à noite. Oculto nas trevas, escondido. Ele é o pai da mentira e o pai da falsidade. Ele anda com rodeios, com meia-verdades. Nunca apresenta uma mensagem clara. Esconde-se é astuto.
Você vê? Dois senhores: Deus trabalhando na luz do dia; e o diabo trabalhando nas trevas da noite. Deus semeando trigo bom; o diabo semeando joio mau. Deus, semeando para colher; o diabo semeando para confundir. O fim também é completamente diferente. O trigo bom é colhido para o celeiro e o joio é jogado ao fogo.
Na interpretação da parábola, o Senhor Jesus diz assim: "O campo é o mundo." (Mat. 13:38)
E sabe? Todos nós habitamos neste mundo. Isto quer dizer que ninguém aqui pode ficar no terreno neutro ou dizer: "Hoje eu não vou me comprometer". Porque naquele campo, que representa o mundo, só existe trigo e joio. Apenas dois grupos: semente boa ou semente má. Não existe um terceiro grupo, daqueles que estão pensando se serão bons ou serão maus. Somente dois grupos.
O que Deus está tentando nos dizer é que, nós só temos dois caminhos, dois destinos: ou seguimos a Deus, ou seguimos o Seu inimigo. Ficar no terreno neutro, já é seguir o inimigo de Deus. Você se compromete ou não. Você segue ou foge. Você aceita ou rejeita. Essa é uma das lições que a parábola do trigo nos ensina.
Seguindo a parábola, nós percebemos que o inimigo semeia uma planta que é muito parecida com o trigo. As duas plantas, trigo e joio, são tão parecidas, que quando os empregados dizem ao patrão: "... queres que vamos e arranquemos o joio? (o patrão diz:) Não! ... deixai-os crescer juntos até a colheita... " (Mateus 13:28-30) Ou seja: "Deixem o trigo e o joio crescerem, porque se nós começarmos a tirar agora o joio corremos o perigo de, tentando tirar a erva má, tirar por aí um trigo bom, deixem que as plantas amadureçam. Um dia, quando a colheita chegar, aí sim, o trigo e o joio terão destinos diferentes."
Esta é uma lição básica que precisamos aprender. Por mais doloroso que pareça, entre nós há trigo bom, plantado pelo Senhor Jesus. E também há joio plantado pelo inimigo de Jesus. Quem é trigo bom e quem é joio? Isso, ninguém pode saber agora. Por favor, não me digam que podemos saber pelos frutos. Porque os frutos que hoje mostramos, não são provas que determinam quem é "joio" e quem é "trigo". Hoje, comissão nenhuma de Igreja, pode determinar quem é "trigo" e quem é "joio". Pastor nenhum pode fazê-lo. Líder nenhum, membro de Igreja nenhum e nenhum cristão pode determinar quem é "trigo" e quem é "joio". Hoje, com as nossas limitações humanas, não podemos fazê-lo. Mas, uma coisa é verdade: em toda a Igreja hoje há trigo e joio. Mais ainda: entre os líderes da Igreja, hoje, há trigo e joio! Entre os oficiais de igreja local, diáconos, diaconisas, diretores de jovens, há "trigo" e "joio".
Sabem qual é um dos grandes perigos que corremos hoje? De começar a determinar se a Igreja é a Igreja de Deus ou não, por causa do joio que possamos achar. Deus tem Sua Igreja nesta Terra. O campo também é o reino de Deus porque a semente "são os filhos do reino". Jesus planta trigo bom, mas o inimigo vem à noite, amparado pelas trevas e planta joio mau. Trigo e joio têm que crescer juntos, dentro do ministério, dentro do magistério, dentro do campo da música e entre os membros da Igreja. Trigo e joio têm que crescer juntos até o dia da vinda de Cristo. Esta é uma lei da vida. Queiramos ou não, aceitemos ou não, esta é uma lei da vida.
Agora vem a pergunta: "Pastor, ninguém pode saber quem é trigo e quem é joio?" Pode sim. Só eu e Deus podemos saber se eu sou o trigo ou joio. Vocês não. Minha esposa não. Meus filhos não. Só Deus e eu sabemos se eu sou trigo ou joio. Só Deus e você sabem se você é trigo ou joio. Eu sou incapaz de olhar para os meus irmãos e dizer: "Este é trigo e este é joio." Porque nós, seres humanos, podemos ver apenas o que está diante dos nossos olhos. Deus, porém, vê o coração. Eu posso enganar as pessoas, mas eu não posso enganar a Deus e nem posso enganar a mim mesmo. Nas horas de solidão eu sei quem eu sou e não posso enganar a meu Deus.
O plano de Deus é que todos na Sua Igreja sejam trigo e Ele está trabalhando para isso. Ele veio a este mundo para reproduzir, em cada cristão, o Seu caráter maravilhoso. Para fazer-nos crescer e produzir frutos.
E agora, um conselho a muita gente sincera que está entrando na Igreja: se você pensa que vai encontrar um "Clube de Anjinhos" que nunca erra, está enganado. A verdade é que você vai encontrar muita gente sincera, que escolheu e aceitou Jesus; e que apesar das suas imperfeições, está crescendo na experiência cristã. Mas, é verdade também que, você vai encontrar muita gente que somente veste a camisa da religião. O grande erro de muitas pessoas é que quando descobrem na Igreja, uma planta igual ao joio, dizem assim: "Esta não é a Igreja de Deus. Vou embora, aqui todo mundo é hipócrita, é mentiroso. Aqui ninguém vive o que prega. Esta não pode ser a Igreja de Deus."
Meu amigo, eu levanto a Palavra de Deus, para dizer: "Deus tem uma Igreja nesta Terra", mas o Seu Reino é semelhante a um campo onde há trigo bom e infelizmente, também há joio. Agora, me diga: há quanto tempo você está fora da Igreja só porque encontrou uma planta semelhante ao joio no meio do campo? Há quanto tempo você anda longe de Deus, sofrendo, se consumindo nas horas de solidão, lutando contra o Espírito de Deus, só porque você encontrou uma planta semelhante ao joio na Igreja? Em que parte da Bíblia você encontra uma Igreja onde todos são "trigos maravilhosos"? Teremos que conviver juntos, sem tentar arrancar o joio.
Estarei falando neste momento para alguém que sentiu-se frustrado pela vida errada de um pastor? Sabe? Nós pastores, somos homens sinceros que, decidimos um dia servir ao Senhor Jesus. Mas tenho que reconhecer que no mundo dos pastores, também há trigo e joio. Esta é uma lei da vida. É isso que a Palavra de Deus diz. Agora, você motivo para estar longe de Deus só porque, um dia, um líder da Igreja mentiu pra você? Porque existe racismo dentro da Igreja? Porque um dia você viu preferências por um e desrespeito para com outro?
Um dia, todos nós, líderes e liderados, teremos que dar conta de como administramos a vida. Um dia, finalmente, o trigo será separado para ser guardado no celeiro de Deus e infelizmente, o joio será arrancado para ser queimado no fogo. Sempre peço a Deus que me ajude a ser trigo. Quantas vezes, descubro que sou joio e tenho que cair aos pés de Jesus e dizer: "Senhor, não quero ser joio. Quero ser trigo. Reproduz o Teu caráter na minha vida."
Ah, querido, gostaria de falar de coração a coração com você. Como tem sido sua vida? Você é alguém que não consegue perdoar ao seu próximo? Alguém o ofendeu, magoou-lhe? Já se passaram anos anos e você não consegue perdoar? Mas, você está na Igreja, cantando, estudando a Bíblia e orando. Por favor, diga-me, para onde você está indo? O que é que você quer? O que você acha da vida? Você é trigo ou joio? Se estou falando para alguém que vive escravizado a algum vício, amarrado a algum pecado que ninguém conhece, ninguém sabe. Mas, você continua na Igreja, cantando, participando, trabalhando, por favor, em nome de Deus eu pergunto-lhe: O que é que e você acha que está fazendo? Para onde você acha que está indo? Você acha que sua presença na Igreja está garantindo sua salvação? Se você é daqueles que andam brigando, disseminando discórdia, criticando, julgando, mas está aí na Igreja, criando divisão e mal-estar? Diga-me: algum dia, você tem que acordar, ficar sozinho e dizer: "Meu Deus, o que aconteceu comigo? É este o trigo bom que Tu tens em Tua Igreja? É este o trigo bom que Tu queres que eu seja?"
Jesus não veio a este mundo somente para trazer pessoas para uma determinada Igreja. Jesus veio a este mundo para reproduzir o Seu caráter maravilhoso em sua vida e na minha. Mas para que isso aconteça, um dia, temos que ir a Ele e dizer: "Senhor, eu não sou ninguém, eu não posso, eu já tentei, já me esforcei. Senhor Jesus, se Tu me pedes que eu me esforce pra vencer, eu estou perdido porque eu não tenho forças. Embora eu saiba que Tu respeitas a minha vontade, eu Te entrego a minha vontade. Faz por mim o que eu não posso fazer por mim mesmo."
Ao longo da minha vida tenho visto tanta gente ir a Jesus do jeito que está. Tenho visto tanta gente chorar aos pés da cruz. Prostitutas, homosexuais, marginais, invejosos, orgulhosos, rancorosos, cobiçosos. Pessoas que um dia caíram aos pés de Cristo dizendo: "Senhor, eu não tenho forças, eu não posso, mas sei que Tu podes."
Jesus está desejoso de operar milagres na vida das pessoas. Você que me assiste neste momento, talvez atendendo a um convite de um amigo. Você pode experimentar as maravilhas do Evangelho em sua vida, transformando seu coração e ajudando-lhe a entender que na Igreja de Deus, o trigo e o joio têm que crescer juntos. Ajudando-lhe a entender que a Igreja apesar das imperfeições, continua sendo a Igreja de Deus. Imperfeições humanas não são justificativas para o erro. Mas, querido, deixe que cada um fique frente a frente com Jesus Cristo, por ocasião da Sua segunda vinda. Não tente julgar o outro por maior mal que lhe tenha feito. Deixe que ele acerte as contas com Jesus.
Um dia Ele voltará e, se encontrar você desesperado e perdido, pode lhe perguntar: "Filho, por que você não esteve comigo?" Se você disser: "Senhor, na Tua Igreja havia muitos hipócritas." Essa não será a desculpa. Ele lhe dirá: "Filho, trigo e joio tinham que crescer juntos. Você nunca leu isso na Minha Palavra?"
Se estou falando para alguém que está fora da Igreja por essas coisas da vida, diga, em seu coração: "Senhor Jesus, eu não tenho forças para retornar. Ajuda-me. Eu não tenho forças para voltar pelos meus próprios meios. Atrai-me à Tua cruz. Toma a decisão por mim, porque eu não sou capaz." Deixe o Espírito de Deus trabalhar em sua vida.
ORAÇÃO


Querido Pai, às vezes é difícil aceitar que em meio de Tua Igreja existe gente que não vive as maravilhas de Teu Evangelho. Mas hoje vimos que é preciso que trigo e joio cresçam juntos. Ajuda-nos, Senhor, a ser trigo bom e a ser sempre uma fonte de inspiração para outros. Em nome de Jesus, amém.

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

DEUS QUER FALAR COM VOCÊ!



Converso com muitas pessoas todos os dias,muitas delas são cristãs e outras não,mais percebo que cristãs ou não todas hoje em dia estão precisando ouvir a voz de Deus e ser acarinhadas com uma simples palavra de amor e carinho.Quando converso com as pessoas e falo que escutei Deus falando comigo,para algumas soa estranho e para outras surge a pergunta: "como fazer ou o que fazer para escutar a voz de DEUS"?
Deus prometeu que Ele falaria com o Seu povo de forma direta e individual. Jesus disse:

"As minhas ovelhas ouvem a minha voz, e eu as conheço, e elas me seguem."
João 10:27

O apóstolo Paulo escreveu:

"Mas o Espírito expressamente diz que . . . "
1 Tim. 4:1

E em Hebreus, Deus em pessoa diz:

"Ora, este é o pacto que farei com a casa de Israel, depois daqueles dias, diz o Senhor; porei as minhas leis no seu entendimento, e em seu coração as escreverei; eu serei o seu Deus, e eles serão o meu povo; e não ensinará cada um ao seu concidadão, nem cada um ao seu irmão, dizendo: Conhece ao Senhor; porque todos me conhecerão, desde o menor deles até o maior."
Hebreus 8:10-11

Em todos estes textos está claro que Deus fala diretamente ao Seu povo. É desejo de Deus que o Seu povo O conheça e "ouça a Sua voz". Esta não é uma promessa somente para os dias da igreja primitiva, quando o cânone da Bíblia estava sendo escrito, mas é também para nós hoje. A vontade de Deus é falar com cada um de nós individualmente e pessoalmente!

Procurei um estudo que pudesse nós ajudar a entendermos melhor essa voz de DEUS  e encontrei um texto escrito por REBECA BROWN entitulado DEUS QUER FALAR COM VOCÊ, então vamos escutá-lo ou melhor lermos agora:
Texto de REBECA BROWN
Mas como podemos aprender a "ouvir" Deus falando conosco? É verdadeiramente possível para um ser humano literalmente "ouvir" a voz de Deus? A Bíblia diz que sim, e isto já basta para mim. A Palavra de Deus não mente.
Muitas pessoas têm muita dificuldade com relação a este assunto. Quando eu comecei uma caminhada mais íntima com o Senhor, este foi um dos maiores esforços que tive. Eu lia muitos livros e ouvia muitas pessoas falando sobre como ouvir o Senhor. "Assim diz o Senhor, o Senhor manda dizer que...". Mas eu não estava ouvindo Deus falar coisa alguma comigo! E ninguém me dizia como eu podia começar a ouvi-Lo. Finalmente, eu fiz o que deveria ter feito desde o início.
Eu pedi ao Espírito Santo para que Ele mesmo me ensinasse. Eu quero compartilhar com vocês a maneira mais rápida de se "ouvir" a voz do Senhor, e alguns dos esforços que você terá durante o caminho.
Existem muitas formas de Deus se comunicar conosco. Você irá observar que eu sempre coloco a palavra "ouvir"em itálico. Isto porque eu não estou me referindo a uma voz literalmente audível. Pouquíssimas pessoas ouvem o Senhor falar com elas em uma voz audível a qual elas conseguem ouvir com seus ouvidos físicos. Alguns conseguem, mas não são muitos.


Quais são algumas das outras formas que Deus fala conosco?
1. Através da Sua Palavra.

A Palavra de Deus, a Bíblia, é descrita como "viva e eficaz" (Hebreus 4:12). Muitas vezes Deus irá falar com alguém através da Sua palavra. Como Ele faz isso? À medida que a pessoa lê e estuda a Bíblia, uma parte específica ou um versículo irá repentinamente saltar das páginas. Ela irá conhecer o versículo e ter um novo entendimento, antes nunca obtido. Muitas vezes, apenas "sabe" sem qualquer dúvida que Deus está dando a ela o versículo para alguma instrução, ou para uma promessa. Isto é o Espírito Santo dando à pessoa a sabedoria sobre o versículo. O Espírito Santo trabalha através da nossa mente.


2. Algumas vezes Deus irá falar através de outra pessoa.

Entretanto, isto é raro. Isto é chamado no exercício dos dons de "palavra de conhecimento" ou "profecia". O texto que eu mencionei em Hebreus deixa claro que Deus não deseja falar ao Seu povo desta forma como padrão. Ele prefere falar com cada um de nós individualmente. Infelizmente, temos uma grande quantidade de cristãos hoje correndo atrás de uma "palavra do Senhor" de muitos que se auto-proclamam "profetas", porque não conseguem ouvir o Senhor por ela mesmas. Lamentavelmente, muitas destas "palavras" não são de Deus, mas da carne da pessoa que está dando a palavra. Olhe ao redor. Os muitos profetas populares de hoje quase nunca dão a alguém uma palavra de correção. Ao invés disso, eles sempre dizem a todos que "Deus tem um GRANDE ministério para eles" ou que "eles irão se tornar muito ricos a fim de semearem no reino de Deus". Suas palavras são ministradas para a carne das pessoas que as estão recebendo, não como a espada de dois gumes descrita em Hebreus 4:12.
Se Deus escolhe falar com você através de outro alguém, geralmente é para trazer confirmação de algo que Ele já está dizendo a você, ou para chamar a sua atenção a algo que você não está conseguindo ouvir diretamente dEle porque não é algo da sua vontade. Deus não quer falar com você através de outra pessoa freqüentemente ou regularmente. Se isto está acontecendo em sua vida, eu o desafio a mudar de atitude e aprender a "ouvir" a voz de Deus por si mesmo.


3. Deus fala conosco diretamente.

O Espírito Santo irá falar ao seu espírito, e então as palavras serão colocadas em sua mente como pensamento. Esta é a maneira mais normal e freqüente pela qual Deus fala com Seu povo. Isto é porque, em Hebreus, Deus disse que Ele escreveria Suas leis nas mentes e corações do Seu povo. Deus se comunica diretamente com a nossa mente e coração.
Qual é a diferença entre a nossa "mente" e nosso "coração"?

Nós pensamos com a nossa mente, e nós basicamente desejamos com o nosso coração. Por exemplo: observe uma pessoa que está envolvida em toda a sorte de coisas mundanas, bebidas, festas, etc. Quando esta pessoa aceita a Jesus, ela pára de desejar essas coisas que antes tinham tanta importância para ela. Por que? Porque Deus mudou seu coração. Uma vez que o coração tenha sido mudado, a pessoa não mais deseja as coisas que fazia. Agora ela deseja as coisas de Deus.
Quando Deus fala à nossa mente, algumas vezes é na forma de um pensamento claro com palavras definidas, outras vezes é simplesmente um novo entendimento sobre algo que nós não entendíamos antes.
O problema é que existem mais do que uma única fonte de pensamentos em nossa mente. Nós produzimos os nossos próprios pensamentos, Deus pode colocar pensamentos em nossas mentes, e os demônios também podem. Paulo deixa isto muito claro:


"Pois as armas da nossa milícia não são carnais, mas poderosas em Deus, para demolição de fortalezas; derribando raciocínios e todo baluarte que se ergue contra o conhecimento de Deus, e levando cativo todo pensamento à obediência a Cristo;"
2 Cor. 10:4-5

Podemos ver neste texto que a batalha espiritual é grandemente travada em nossas mentes. É absolutamente necessário que controlemos nossos pensamentos e tenhamos discernimento de onde eles estão vindo - de nós, de Deus ou de espíritos demoníacos.
Parece confuso? Algumas vezes realmente é. Mas o Senhor nos permite classificar os pensamentos. Pensamentos de demônios sempre nos tentam a pecar. Deus NUNCA nos leva a pecar. Nossos desejos pecaminosos podem também nos tentar, mas devemos lutar contra essas tentações em nossa mente. Entretanto, pensamentos de demônios SEMPRE tentam nos trazer para o pecado.
Por isso que recebemos tal instrução tão forte em Romanos 12:2:


"E não vos conformeis a este mundo, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus."
Romanos 12:2

Como podemos renovar nossas mentes? Através de um intensivo estudo da Palavra de Deus, através de louvor e adoração e meditação e memorização da Palavra de Deus. O Rei Davi reconheceu isto:


"Como purificará o jovem o seu caminho?
Observando-o de acordo com a tua palavra....
Escondi a tua palavra no meu coração,
Para não pecar contra ti."
Salmos 119:9 & 11


Tudo bem, então como, exatamente, você pode aprender a realmente reconhecer quando Deus está falando a sua mente? Há uma boa maneira de que descobri ser bem rápida.

Nós precisamos entender que nossa mente natural não medita ou pensa na Palavra de Deus, ou nas coisas de Deus, a menos que nós a disciplinamos para isso (1 Cor. 2:14) Entretanto, a melhor maneira de aprender a "ouvir" a voz de Deus é a seguinte:


Passo 1:
Memorizar versículos bíblicos que exaltam e glorificam a Jesus Cristo.
Passo 2:
Pedir para o Espírito Santo agir. Pedir a Ele para trazer aqueles versículos memorizados a sua mente durante o dia, quando você estiver ocupado pensando em outras coisas, como seu trabalho.

Veja bem, quando você está ocupado pensando em algo mais, como seu trabalho, sua mente natural não escolhe pensar em versículos bíblicos. A única forma pela qual iremos pensar neles é se tomarmos uma decisão consciente de fazer isso. Mas, se você estiver ocupado pensando em alguma coisa, e então de repente você percebe que um versículo bíblico está passando pela sua mente, ele só pode ter sido colocado lá por uma pessoa - o Espírito Santo.
Quando mais versículos bíblicos você memorizar, mais o Espírito Santo terá para trazer a sua consciência. Ele é capaz de tomar o controle da sua mente ocupada para colocar um versículo bíblico nela. Os demônios não irão querer colocar um versículo em sua mente que exalta e glorifica a Jesus. Sua mente natural não irá fazer isso também, a menos que você pare e tome a decisão de pensar sobre o versículo. Esta é a maneira mais rápida que eu encontrei para aprender a reconhecer quando o Espírito Santo está falando conosco.
À medida que você fizer isto, Deus irá então trazer outros pensamentos a sua mente. Geralmente, será algo corretivo. Deus irá chamar a sua atenção para algo em sua vida que não está agradando a Ele. Quanto mais depressa você obedecer para fazer o que é certo, mais rápido Ele falará novamente com você. Em minha vida, o Senhor usou a questão do cinto de segurança do meu carro para me ensinar a "ouvi-Lo". Naquela época, eu odiava colocar o cinto! Na verdade, minha mente estava tão condicionada que eu nunca pensava em colocá-lo quando eu entrava no carro. À medida que eu continuamente pedia ao Espírito Santo para me ensinar a ouvir a Sua voz, Ele usava a questão do cinto comigo. Algumas vezes, quando eu entrava no carro, Ele falava comigo, dizendo para eu colocar o cinto. Eu sabia que era o Senhor, porque Eu certamente nunca iria pensar isso! Se eu obedecesse, o Senhor iria novamente falar comigo em breve sobre outra coisa. Se eu não obedecesse, eu não ouviria o Senhor falar comigo por muitos dias. Deus nem sempre me mandava colocar o cinto logo quando eu entrava no carro. Às vezes, Ele deixava que eu já estivesse dirigindo por algum tempo. Por que? Porque Deus nunca entra em rotina, e Ele não quer que sejamos dependentes de rotinas também.
Vamos falar um pouco sobre a questão de memorizar as Escrituras. Isto é muito difícil para as pessoas fazerem. Eu quero dar a você uma maneira fácil e agradável de memorizar versículos. É vitalmente importante que cada um de nós memorize versículos bíblicos, então aqui vai uma dica.
Pense sobre um dia seu normal. Todos nós temos pelo menos uma hora do dia na qual fazemos algo que não nos requer muito esforço mental. Para nós, mulheres, talvez a hora de lavar a louça ou fazer nosso cabelo. Para vocês, homens, talvez ao fazer a barba ou indo para o trabalho. Cada um de vocês tem pelo menos alguns minutos por dia de atividades que não exigem muito do cérebro. Use este tempo para memorizar versículos.

Pegue alguns cartõezinhos. Inicie uma semana escrevendo em um cartão um versículo ou talvez uma seção de dois ou três versículos. Escreva a referência, então o versículo, e novamente depois a referência. Da seguinte forma:
João 3:16


"Porque Deus amou o mundo de tal maneira, que deu filho unigênito, para que todo que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna."
João 3:16

Olhe seu cartão, diga a referência, em seguida o versículo, e novamente a referência, faça isso repetidas vezes, em voz alta, até que você o diga três vezes repetidamente sem erro e sem olhar o cartão. Isto não irá requerer muito tempo seu. No segundo dia, faça a mesma coisa, e também no terceiro, quarto, etc.
Na segunda semana, pegue um novo cartão e um segundo versículo. Comece dizendo três vezes o primeiro versículo em voz alta, e então comece a aprender o segundo versículo. Sempre diga a referência antes e depois o versículo. Na terceira semana, adicione um terceiro cartão, e assim por diante. Se você recitar um versículo três vezes por dia durante três meses, ele estará gravado em seu cérebro para sempre. No final dos três meses, você pode começar a deixar de lado o primeiro versículo à medida que continua a adicionar versículos a sua memória. Você ficará impressionado como a memorização constante de versículos bíblicos irá mudar sua vida e seu relacionamento com Deus!
Aqui vão algumas armadilhas para se evitar. Sempre memorize um versículo da Bíblia somente por semana. Se tentar memorizar mais que um, começará a ficar bastante confuso.
Nunca memorize dois versículos, ou partes das Escrituras de um mesmo livro da Bíblia. É muito mais fácil mesclar referências em sua memória. Memorize de livros diferentes a cada semana. Por exemplo, memorize de Lucas na primeira semana, de João na segunda semana, de Coríntios na terceira. Então se quiser voltar a Lucas na quarta semana, tudo bem.
Agora vamos tratar de alguns problemas quanto ao ouvir Deus falar com você.


Eu Irei Sempre Ouvir Deus Claramente?

Infelizmente, a resposta a essa pergunta é um ressoante "NÃO". Como vivemos neste corpo de carne e sangue afetado pelo pecado, iremos algumas vezes nos esforçar para ouvirmos ao Senhor. Você nunca alcançará a posição de sempre ouvir a Deus claramente e sem erro. Infelizmente, muitos líderes cristãos soam como se nunca tivessem o menor esforço para ouvir a Deus. Todos têm, até mesmo o apóstolo Paulo teve suas dificuldades. Ele descreveu isso a seguir:


"Porque agora vemos como por espelho, em enigma, mas então veremos face a face; agora conheço em parte, mas então conhecerei plenamente, como também sou plenamente conhecido."
1 Cor. 13:12

O que Paulo está dizendo aqui é que enquanto estivermos neste corpo de carne e sangue, veremos ao Senhor "como por espelho, em enigma". É como se estivéssemos olhando para um espelho bastante embaçado, o qual não conseguimos ver a imagem de forma clara. Agora conhecemos o Senhor somente em parte, mas em uma dia maravilhoso, quando chegarmos ao céu, então iremos conhecer ao Senhor claramente como Ele nos conhece.
Algumas vezes o Senhor irá falar conosco tão claramente que não teremos a menor dúvida em nossa mente. Mas muitas das vezes, teremos que nos esforçar. Teremos que buscar e orar por clareza. Algumas vezes, iremos questionar "será que isto veio de mim? Veio de um demônio? Ou veio do Senhor?". Sempre quando estivermos em uma situação como esta, pare e separe algum tempo para orar e pedir a Deus que traga algum tipo de confirmação. Ele o fará eventualmente, SE o pensamento veio dEle. Você não pode determinar tempo ou condições para a Sua resposta. Lembre-se, Deus é Deus! Você não pode controlá-Lo de forma alguma.
NÃO caia do erro de assumir que todos os pensamentos são de Deus. Volta e meia somos desviados pelos nossos próprios desejos, achando que Deus está falando, quando na verdade são apenas nossos desejos se manifestando.
Lembre-se, Deus diz:
"’Porque os meus pensamentos não são os vossos pensamentos,


Nem os vossos caminhos os meus caminhos, diz o Senhor.
Porque, assim como o céu é mais alto do que a terra,
Assim são os meus caminhos mais altos do que os vossos caminhos, E os meus pensamentos mais altos do que os vossos pensamentos.’"
Isaías 55:8-9

Por isto é tão importante conhecer a Palavra de Deus. Deus nunca irá contar a você nada que seja contra a Sua Palavra. Quantas vezes eu vi alguém dizendo que Deus lhes disse que deveriam casar com alguém quando na verdade ainda estavam casados com outros! Deus NUNCA diria tal coisa. Eles simplesmente estão aceitando seus próprios desejos pecaminosos como se fossem de Deus.


Como Posso Evitar de Ser Enganado?

A resposta é que você nem sempre pode evitar de acabar sendo enganado. Algumas vezes, você cometerá erros, e algumas vezes será enganado. Outras vezes achará que Deus disse a você algo que na verdade Ele NÃO disse.
NUNCA ache que você alcançou uma posição onde não poderá ser enganado!
Por que Deus permite que nós nos enganemos? Ele não quer que sejamos enganamos, mas se não permanecermos humildes e dependentes dEle, então esta é a melhor maneira de Deus nos tornar humildes. Devemos sempre estar buscando. Todas as vezes que acharmos que Deus falou conosco, devemos comparar isso com a Sua Palavra. Devemos continuamente ser humildes e pedir ao Senhor de nos livrar de sermos enganados ou de cometermos erros.
Certa vez um irmão me disse que Deus estava falando algo a ele, somente mais tarde é que descobriu que não provinha de Deus. Ele me disse: "Isso não vale a pena! Eu não quero que Deus fale comigo novamente se eu estiver vulnerável a cometer erros!".
Veja bem, nós somos humanos e pecadores. Algumas vezes iremos cometer erros - e dos grandes. Mas ouvir a Deus é a coisa mais preciosa que um ser humano pode
receber. Sim, teremos que nos esforçar. Sim, algumas vezes acharemos que estamos ouvindo a Deus e teremos grandes erros como resultado. Mas PODEMOS confiar no que a palavra de Deus nos assegura:


"E sabemos que todas as coisas concorrem para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito."
Romanos 8:28

Deus honra os desejos dos nossos corações! À medida que desejamos andar de forma que O agrade, Ele irá operar em nossas vidas, apesar de cometermos grandes erros.
Se você se desviar da vontade de Deus, à medida que permanecer humilde e ensinável, Deus irá levar você de volta ao lugar onde deveria estar.
Satanás SEMPRE tentará atacar seu relacionamento pessoal com Deus. Nunca o deixe impedir você de procurar "ouvir"a voz de Deus.


Eu Preciso Esvaziar Minha Mente para Ouvir?

Absolutamente não! Nunca pense que você precisa limpar sua mente, ou esvaziá-la, para ouvir ao Senhor. É por isto que Deus nos ordena a levar todo pensamento cativo. Não podemos controlar os nossos pensamentos todas as vezes. Se sua mente estiver vazia, você tem uma porta aberta para espíritos demoníacos entrarem e tomarem o controle sobre você. Estas são as bases das formas de meditação ocultista. Há uma grande diferença entre meditação ocultista e meditação cristã. A meditação cristã é ATIVA. Você fica ativamente pensando em Deus e na Sua Palavra. O Espírito Santo é perfeitamente capaz de trabalhar em nossa mente ativa para falar conosco.
Podemos ter um ambiente propício para falar com Deus e ouvir dEle? Sim, podemos, através de oração e contemplação da Palavra de Deus. É por isso que devemos reservar algum tempo do dia, durante o qual nada pode nos distrair, para ler nossa Bíblia e orarmos. Geralmente Deus irá falar conosco durante estes períodos, mas não é sempre. Deus pode, e irá, falar com você a qualquer parte do dia. Não fique desapontado se Deus nem sempre falar com você durante seu período de quietação. Na verdade, Ele pode nem sempre falar com você todos os dias. Lembre-se, Ele nem sempre permitirá que você fique dependente de uma rotina.


E Quando Eu Estiver No Meio De Uma Crise?

Quando nós, seres humanos, entramos em uma situação de crise, ficamos sob um forte estress emocional, e desta forma é muito difícil para nós ouvirmos de Deus. Na verdade, as pessoas raramente ouvem Deus de verdade quando estão sob fortes emoções. Eu não estou certa porque isto acontece, mas acho que nossa carne fica tão atribulada durante estes períodos que é difícil o Espírito Santo adentrar nossas emoções. É por isto que é tão importante estar em um relacionamento de aliança com Deus. Se você ainda não tem um, por favor, leia meu livro "Firmado na Rocha". Deus quer preparar você para prosseguir durante os momentos de crise. Ele quer fazer pactos com você a fim de que possa permanecer de pé durante os períodos de intensas emoções, porque Ele sabe que é muito difícil falar com você neste estado. Se você tem um pacto ativo, saberá qual é a vontade de Deus durante os momentos de estress e não terá que ficar desesperado para ouvir a Sua voz. Deus entende nossas emoções em todos os sentidos, e quer nos preparar para lidar com elas.
Servimos a um Deus maravilhoso. A coisa mais preciosa que alguém pode ter é um relacionamento pessoal com Deus. Entretanto, é preciso paciência e perseverança. Você não aprenderá a ouvir Deus todos os dias. Como em qualquer relacionamento, leva certo tempo para conhecer a Deus e reconhecer a Sua voz. Você terá que agir, e buscar e orar. Mas vale a pena todo o esforço.
Sempre temos que operar em fé.
As escrituras nos dizem que é impossível agradar a Deus sem fé. À medida que crescemos e aprendemos a ouvir a voz de Deus, cada passo é um passo em fé. Eu me lembro muito bem a época, há anos atrás, quando Daniel e eu compramos nosso vale. O Senhor falou com Daniel e disse a ele para contratar uma quantidade de serviços para o vale, e realizar nossa primeira construção. Isso custou milhares de dólares, o qual não tínhamos. O Senhor disse a Daniel para assinar o contrato, e Ele proveria. Então Daniel o fez.
Alguns dias depois, quando estávamos viajando para falar em uma conferência, foi quando Daniel me disse sobre a assinatura do contrato. "A estradinha de acesso e a construção da casa estarão prontas quando retornarmos", ele me disse. Então ele mencionou a quantia de dinheiro que custou. Eu fiquei atordoada! Exclamei: "Daniel, esta conferência é uma igreja com apenas 35 pessoas!" Eu nunca havia visto Daniel tão pálido. Ele começou a balbuciar, então disse: "Bem, Deus disse que Ele proveria, Ele não disse que as ofertas nesta conferência seriam o provimento". Tudo o que eu disse foi: "Espero que você tenha ouvido certo".
Estivemos fora por cerca de duas semanas. Daniel ficou em conflito durante todo o tempo. Ele realmente havia ouvido de Deus ou não? Fizemos três conferências diferentes durante aquelas duas semanas. Nenhuma delas era de grandes proporções. Não paramos momento algum para contabilizar as ofertas, estávamos com medo. Simplesmente as colocávamos em uma maleta e partíamos. Quando chegamos em casa, nossa estradinha e a casa estavam prontas, e a fatura estava esperando por nós. Com medo e tremendo, finalmente abrimos a maleta e começamos a contar o dinheiro. Eu nunca havia visto tantas notas de um dólar em minha vida! Eu SEI que o Senhor multiplicou o dinheiro dentro da maleta, porque no fim das contas nós tínhamos o suficiente para pagar a fatura e para todas as outras despesas daquele mês! Mas se Daniel não tivesse tomado aquele passo de fé de que Deus realmente havia falado com ele, nunca teríamos concluído as obras neste vale. Na verdade, cada passo tomado foi um passo de fé. Algumas vezes o Senhor irá testar você. Ele irá mandar que você faça algo e então Ele não irá dar a provisão até que tenha dado o passo de fé para obedecê-Lo. Isto certamente tem sido verdade em nossas vidas.
Ouvir a Deus SEMPRE envolve fé. Você precisa ter fé de que Deus verdadeiramente falou com você. Muitas vezes você terá que agir com fé. Lembre, Deus valoriza nossa fé mais do que tudo. Ele a está constantemente testando e aumentando. Ele tem nos testado repetidamente, e eu estou certa de que Ele continuará a fazer isso. Deus quer desenvolver nossa fé e nossa habilidade de ouvir a Ele, a fim de que possamos passar com sucesso pelas dificuldades que encaramos nos últimas dias que acontecerão antes do Seu retorno. Ele nem sempre responde a você da maneira que você espera, nem o tempo que você quer. Mas Sua palavra é verdadeira.